“Nenhum Mal te sobrevirá” Salmo 91 ( A interpretação de Jesus e a interpretação de Satanás)

“Nenhum Mal te sobrevirá” Salmo 91 ( A interpretação de Jesus e a interpretação de Satanás)

Você provavelmente já leu o Salmo 91, um dos mais preciosos entre os salmos.
Que certezas podemos ter neste salmo? O que ele promete?

“Caiam mil ao teu lado, e dez mil, á tua direita; tu não serás atingido” (v.7)
“Nenhum mal te sucederá, praga nenhuma chegará á tua tenda” (v.10)
“Saciá-lo-ei com longevidade e lhe mostrarei a minha salvação” (v.16)

Aparentemente parece que o salmo promete que seremos super-homens e que jamais vamos sofrer. Pergunto: Pessoas de fé nunca morrem em tragédia? Nunca sofrem com doenças? Sempre têm vida longa?

John Piper diz que há três maneiras de resolver este problema: 1) Podemos dizer que o escritor deste salmo e aqueles que o incluíram no saltério não tinham discernimentos e cometeram um erro. 2) Podemos dizer que as vítimas da batalha, os doentes, e aqueles que sofrem não fazem do Senhor o seu refugio e nem andam pela fé. Em outras palavras, a promessa é para aqueles que não são incrédulos. 3) Podemos dizer que o autor do salmo pretendia comunicar que Deus realmente governa o vôo das flechas, doenças e a duração da vida, e que nas promessas existem exceções e qualificações.

Por que defendo a terceira posição?

1-Sabemos que Satanás pode usar os salmos para nos fazer pecar. Um exemplo disso está na narrativa da tentação de Jesus no deserto onde o diabo usa este mesmo salmo 91 com uma interpretação enganosa: “Atira-te daqui… Por que ao seus anjo dará ordens a teu respeito, para que te guardem em todos os teus caminhos. Eles te sustentarão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra.” A interpretação que Satanás usa para tentar Jesus é muito parecido com a posição 2.

Mas Jesus recusou este uso do salmo e provou que tinha, de fato, qualificações: ele morreu jovem, sentiu golpe da carne dilacerada, foi perfurado por lanças e pregos. O mesmo Jesus disse para os seus discípulos em Lc 21.16 “matarão alguns dentre vós..” Sabemos pela narrativa de Atos que isso realmente aconteceu e acontece ainda hoje!

2- A bíblia não pode se contradizer. Há salmos como o 81(o salmo mais triste da bíblia) e o 34.19 que diz: “muitas são as aflições dos justos.”

3- A bíblia nos fala que devemos ter por motivo de alegria o fato de passarmos por grandes tribulações. Elas nos ajudarão a ser perseverantes e esperançosos, e isso glorifica a Deus.

Portanto lhe encorajo a rejeitar a interpretação de Satanás e atentar á interpretação que Jesus dá aos Salmos!

Em Cristo,

Tiago Souza

Anúncios

Respondendo ao convite do Evangelho. Lucas 10:1-24 – Tiago Souza

Respondendo ao convite do evangelho – Lucas 10:1-24

 

Introdução:

Você já viu o processo da purificação do ouro? O ouro, claro, não vem todo modelado como nós o vemos nas vitrines das relojoarias. Ele não é encontrado em barras, já todo modelado. O ouro é encontrado muitas vezes como uma pedra preta. Talvez pudéssemos tropeçar sobre ela e nem desconfiar que se trate de uma pepita de ouro! Pois bem, o ouro chega de forma bruta nas mãos do ourives, a pessoa qualificada para purificar o ouro. E como aquela pedra bruta, sem formato, chega até nós tão bonita e reluzente enfeitando a correntinha do moço e o brinco das moças? O ourives pega a pepita de ouro e a coloca em um recipiente chamado caidinho. No cadinho, o ourives pega um maçarico e começa a esquentar e a derreter o ouro.

Ele passa algum tempo ali colocando a chama do maçarico naquela pedra. Depois de levar muito fogo e estar já em estado liquido o ourives então joga algumas substancias químicas que tiram todas as impurezas, separando o ouro puro derretido dos demais resíduos. E quando o ourives termina a sua seção de purificação do ouro? Quando ele consegue ver a sua face resplandecer no ouro já derretido. Ele só termina a purificação quando ele consegue observar a seu próprio rosto no ouro.  Isso é muito interessante porque eu vejo o mesmo processo na vida dos discípulos e nas nossas vidas também. Jesus, assim como o ourives, escolhe algumas pedras que aparentemente ninguém da um real furado e os fazem discípulo amados.                                                                                                                       Image

Ele coloca cada um dentro do seu cadinho, pega o seu maçarico celestial e taca fogo. O proposito é nos transformar de  pedra bruta á discípulos. De pecadores á santos. E no processo dessa purificação (discipulado) Ele faz alguns convites e espera de nós algumas respostas!

 

Elucidação:

Quando chegamos ao capitulo 10 de Lucas já temos algumas informações sobre a pessoa e a obra de Cristo, bem como Lucas o retrata para nós. Cristo, por exemplo, é aquele que vence todo tipo de pecado, doenças e demônios no capítulo 4. Cristo também é aquele que chama para si discípulos e o faz cooperadores da obra de Deus no cap. 5.  Ele é descrito como o Senhor do Sábado reivindicando para si mesmo a adoração de todos os dias! Também no cap. 7 Cristo é retratado como aquele que tem poder sobre a vida e sobre a morte ressuscitando o filho de uma viúva em Naim. Lucas nos fala também que Cristo é aquele que é acessível a todos. Todo homem e toda mulher pode se achegar ao filho de Deus e adora-lo. Ainda na narrativa do cap. 7 Lucas nos fala de uma pecadora que chora e deposita o seu rico perfume aos pé de Jesus. Cristo também é retratado para nós no cap. 8 como aquele que tem poder sobre a criação. Jesus acalma a tempestade e faz os próprios discípulos se perguntarem: “quem é este que até o vento e as águas lhe obedecem?” Lucas também descreve Jesus como aquele que é o Deus de toda a provisão. O impossível para os homens se torna possível para Jesus. Ele toma em suas mãos cinco pães e dois peixinhos, faz o milagre da multiplicação e alimenta cinco mil homens no cap.9. Ainda nesse mesmo capítulo Cristo é descrito como o “filho de Deus” e “o ungido” quando este se transfigurou, teve o seu corpo glorificado, diante dos olhos de Pedro, Tiago e João.

Portanto, Lucas registra muitas ações acerca da pessoa e da obra de Cristo. Por onde o Deus encarnado passava este ia realizando milagres e maravilhas em meio ao povo. Os doentes eram trazidos e voltavam curados! Os endemoniados eram trazidos e estes voltavam libertos.  Quando Jesus encontrava um cortejo fúnebre, o lamento acabava por ali, pois o Senhor da vida manifestava o seu poder ressuscitando os mortos!  

 Então chegamos ao capitulo 10 de Lucas e o processo do discipulado está em andamento. E queria frisar  o modelo de discipulado de Jesus: Primeiro Cristo convida os discípulos para ver e presenciar o seu poder. Depois ele convida os discípulos para participar do seu poder, como no caso da multiplicação dos pães, e agora Cristo convida e envia os discípulos para proclamar O seu poder.

 

 Então, da mesma forma Cristo nos CONVIDA a observar, participar e proclamar o poder de Deus!

Ele grita aos nossos ouvidos: Responda ao convite que o evangelho nos faz hoje!

 

A pergunta é: De que forma respondemos ao convite do evangelho de Cristo? De que forma podemos responder o convite do evangelho nesses 24 versos do cap. 10?

 

1-    Respondemos ao convite do evangelho proclamando o amor de Deus! verso 1-9

1.    Há uma verdade latente na mensagem do evangelho. A mensagem é esta:  Deus nos ama! Não sabemos a razão disso, não sabemos o porque, mas temos a plena convicção que Ele nos ama. Ele amou os discípulos e agora quer expandir o seu amor para outros lugares. O amor de Cristo não pode estar resumido a um grupinho de 12 apóstolos e 70 discípulos. Não! O seu amor rompe com todas as formas de segregação ou limites numéricos! Cristo quer fazer o seu nome e a seu ministério conhecido em outros lugares. Não é de se admirar que o amor incondicional de Cristo esteja totalmente ligado com o tema da mensagem: o Reino de Deus.

 2.    Como bem eu disse, os discípulos estão no processo da escola de discipulado. Jesus chama e envia 70 discípulos para uma missão. Mas antes disso ele fala sobre um grande problema e uma grande solução para isso. O problema é: A seara é grande e poucos são os trabalhadores. A solução: ore e peça ao Senhor da seara para mandar mais trabalhadores para a sua colheita. Portanto os discípulos sabem duas coisas : 1° missões é urgente e é escassa de missionários! 2° Deus é o Deus das missões! Ele é o senhor da seara e pode trazer mais missionários para a sua obra.

 3.    A este ponto Cristo sabe que alguns já estão prontos para serem enviados. Ele chama os discípulos para ver e presenciar o poder de Deus. Ele chama os discípulos para sentir e participar do poder de Deus e agora ele chama os discípulos para proclamar o seu amor através da vinda do Reino de Deus.

4.    Jesus então dá algumas instruções sobre esta viagem missionária. Segundo as orientações de Jesus esta missão será muito perigosa. Jesus envia os seus discípulos com a mensagem do Reino, mas eles estariam como ovelhas em meio a lobos! A primeira vista este é o tipo de trabalho não muito invejável. Eles estariam em território inimigo. Mas não é o pastor de suas almas que está os enviando como ovelhas? Ele há de cuidar de cada uma delas! Jesus também pede para eles levarem o necessário! Uma segunda bolsa será desnecessária; um saco de viagem será desnecessário; um par de sandálias extras será desnecessário; e conversas demoradas ao estilo comum no oriente também é desnecessário. Então Jesus deixa muito claro a urgência quanto á proclamação do amor e a dependência total para este amor!

Eles estariam levando a mensagem do amor na proclamação, os sinais do amor nas curas e libertação e também a manutenção divina nas suas próprias vidas! Este foi o mesmo Jesus que disse: “olhai para as aves do céu. Elas não plantam e não trabalham e eu as sustento todas elas. Vocês não tem mais valor que elas?” Mateus 6:26.  Portanto, não só a mensagem, mas a própria vida desses missionários seria um reflexo do próprio amor que estes estariam levando. Em outras palavras eles estariam dizendo: “O Reino de Deus está tão próximo de vocês, quanto está de nós. Olhe para nós, fomos transformados e temos a nossa vida na palma da mão do Senhor! “Foi ele mesmo que nos chamou, preparou, nos enviou e agora nos sustenta enquanto pregamos para vocês”. Então, queridos, é este amor que nos chama, que foi com a nossa cara por algum motivo nele mesmo, que nos chama para o discipulado e nos envia a proclamar este mesmo evangelho de amor anunciando o Reino de Deus! Ele nos convida a compartilhar dessa graça com outros, amar outros os quais nunca vimos antes! Isso é o evangelho! O evangelho do amor de Jesus nos envia para anunciar o Reino de Deus em todos os lugares!

 5.    Você acha mesmo que consegue segurar o amor de Deus? Você acha mesmo que o evangelismo mundial acabou quando você foi salvo? Você conhece a responsabilidade de levar este amor que lhe alcançou para outras pessoas? Você assim como eu está na escola do discipulado de Jesus! Portanto pergunto: até quando você vai gazear a aula do discipulado prático? Responda hoje o convite do evangelho que te chama a levar e proclamar o amor de Deus para todas as pessoas! 

 

 

2-    Respondemos ao convite do evangelho proclamando o juízo de Cristo! Verso 10-16

1.    Ainda dando as ultimas instruções para o envio dos 70, Jesus fala sobre a hostilidade de alguns ao receberem a mensagem. Será que existem pessoas que podem rejeitar tão grande amor? Sim, infelizmente existe. A mensagem que estes estão levando para a salvação dessa gente é o Reino de Deus! E quando estes o rejeitarem? Jesus orienta os seus missionários a sair pelas ruas e dizer: “até o pó do nosso sapato nós sacudimos contra vocês. Fiquem certo disso: O Reino de Deus ainda está perto de vocês!” Ou seja, a mensagem é a mesma para aqueles que recebem e para aqueles que rejeitam. A aceitação ou não daqueles que ouvem o evangelho não altera o conteúdo da mensagem: o Reino de Deus está próximo! O que tem de diferente então? A forma como essa mensagem vai ministrar ao coração de cada um. Para os que receberam a mensagem do Reino de Deus ela se torna salvação, para aqueles que a rejeitarem é pura condenação. A atitude dessas pessoas ao rejeitar a mensagem dos missionários é rejeitar aquele que os enviou, ou seja, eles estavam rejeitando a própria salvação em Cristo. Rejeitar a mensagem do evangelho é assinar com o seu próprio punho a sua própria condenação! É pegar um passaporte carimbado ao inferno! Cuidado! Rejeitar a mensagem do evangelho é trazer o Reino de Deus para a sua própria condenação.

 2.    Mas porque o evangelho é tão duro assim? Por que Jesus fala de forma tão severa? A partir do verso 12 o próprio Jesus descreve cidades inteiras que experimentaram milagres, sinais e prodígios do Senhor e ainda continuaram impenitentes! Há uma razão para tão grande condenação: A glória de Cristo foi vista pelos olhos daquelas cidades e elas não se arrependeram de seus pecados. Jesus ainda diz que haverá mais tolerância para Sodoma do que para aquela cidade: “Ai de você, Corazim! Ai de você Betsaida! Por que se os milagres que foram realizados entre vocês o fossem em Tiro e, há muito tempo eles teriam se arrependido. E você Cafarnaum: será levada até o céu? Não! Você descerá até o hades”! Os homens têm razões suficientes para ser condenados! Eles são pecadores por natureza Salmo 51; Eles estão mortos em pecados Efésios 2; Eles suprimem a verdade de Deus pela mentira Romanos 1:18; e quando o Senhor lhes mostra a sua Glória operando sinais e milagres eles ainda se encontram impenitentes!

Esta foi a mesma situação de Paulo e Barnabé quando chegaram em Listra em sua primeira viagem missionária. Em Atos 14 Paulo e Barnabé chegam em Listra, uma cidade pagã, e o Senhor por misericórdia opera um milagre. Um paralitico volta andar diante dos olhos daqueles pagãos. Qual seria a atitude correta daquela gente? Se arrepender e crer em Deus! Mas não foi isso que aconteceu. O milagre foi feito por Deus mais eles ainda continuaram com a sua impenitência, não se arrependeram e aumentaram ainda mais o seu paganismo querendo fazer de Paulo e Barnabé um deus. Portanto os milagres devem trazer o homem ao arrependimento, mas eles não se arrependem! 

3.    Esse é o verdadeiro proposito dos milagres e dos sinais: revelar a glória de Deus para trazer arrependimento no coração do homem! As palavras de Jesus são duras, mas são verdadeiras! São um pouco amargas, mas são necessárias! As palavras de Cristo aqui é um santo remédio para as nossas almas. Precisamos hoje assumir de uma vez por todas pregar um evangelho sim que fala de um Deus que nos ama, que é cheio de graça e perdão, mas um evangelho que também nos fala de um Deus justo e irado para com o pecado. Deus não terá misericórdia para aqueles se encontram impenitentes. Na via para a salvação Deus prepara e arquiteta um meio de salvar a mim e a você, mas se não atentarmos para essa mensagem, o juízo do Senhor será inevitável.

Portanto, nós respondemos o convite do evangelho quando proclamamos  o juízo certo de Cristo para aqueles que se encontram impenitente! Por que se não fosse assim, a morte de Cristo seria totalmente em vão.

Eu me lembro de que certa vez estava pregando o evangelho no sertão da Paraíba, numa cidadezinha chamada Santa Helena. Estava com alguns amigos de São Paulo na casa da dona Maria pregando o evangelho, passamos ali algum tempo e ela não mostrou nenhum sinal de arrependimento. Alias, nos tratou e tratou a mensagem com grande hostilidade. Não havendo mais possibilidade de diálogo meu amigo colocou a sua mão no ombro da dona Maria e disse: “Sendo assim, nós não temos mais palavras de consolo para você.” Saímos daquele evangelismo de cabeça erguida e com o coração em pedaços, por que naquele dia ela chamou o juízo de Cristo para si.

 

 4.     Respondemos ao convite do evangelho quando conhecemos a alegria da salvação! Verso 17-20

1.    O verso 17 fala sobre o retorno desses 70 discípulos missionários. Não sabemos quando eles voltaram ou se eles voltaram todos juntos. O que o texto vai nos informar é que eles voltaram cheios de alegria. No original grego “possuídos de grande alegria”. E qual era o motivo? Os demônios se submeteram a eles e eles os expulsaram. Na viagem missionária estes discípulos encontraram muita gente possessa e escrava por demônios. Eles, na autoridade que Jesus lhes tinha concedido expulsaram estes espíritos imundos. Mas há algo singular nesse trecho! Note comigo um fato interessante: nenhum deles relatou uma conversão se quer!  Todos estavam jubilosos pela libertação de muitos que estavam oprimidos pelo demônio, mas nenhum falou ou se alegrou por causa de alguém que se arrependeu! Alias, nem sabemos se houve conversão nessa viagem, o texto não fala! Não fala de nenhum arrependimento ou entrega. Nada! Portanto, eles estavam depositando a sua alegria em coisas não tão importantes. Não tão importantes? Sim, quando comparado a salvação destes indivíduos! A obra da salvação é maior do que a obra da libertação. Enquanto a obra da libertação vai tratar a vida física e social do individuo, a obra da salvação vai tratar com a vida espiritual e o destino eterno.

 2.    Por isso Jesus disse: “Eu vi Satanás caindo do céu como um relâmpago. Sim, eu lhe dei autoridade para pisar sobre serpentes e escorpiões e sobre todo o poder do inimigo. Contudo, alegrem-se, não porque os espíritos se submetem a vocês, mas porque seus nomes estão escritos no céu!”. E é exatamente nisso que eles devem depositar toda a sua alegria. A nossa alegria não está em ver expulsão de demônios aqui, milagres ali ou acolá. Não! A minha alegria esta em saber que eu mesmo sendo um pobre pecador tive o privilégio, dado por Cristo, de ter meu nome escrito nos céus. Aqui sim está a verdadeira alegria do crente! Não estão nos sinais da obra de Cristo, mas está no próprio Cristo que nos concede toda a salvação! Por isso nós respondemos ao convite do evangelho quando nos alegramos na real e verdadeira alegria: A alegria da salvação de Cristo!

 3.     A alegria e o prazer do crente sempre estiveram ligado com o tema da salvação. Veja o que disse Isaías 12:3 quando estava profetizando o triunfo de Cristo: “ Deus é a minha salvação, sim, o Senhor é a força do meu cântico. Vocês com muita ALEGRIA tiraram água das fontes da salvação!”. Quer outro exemplo? Quando Davi pecou com Bate-Seba e caiu em profundo arrependimento este escreveu no Salmo 51:11-12: Não tire de mim a tua presença e nem tires de mim o teu Santo Espirito, mas devolve-me a ALEGRIA da tua salvação”! A nossa alegria tem um lugar para fazer morada! Este lugar é na salvação em Cristo! Ele é a nossa verdadeira e mais pura alegria.

 

Por ultimo:

4.    Nós respondemos ao convite do evangelho descansando na soberania de Cristo! Verso 21-24

1.    Logo depois de nos revelar onde devemos depositar a nossa alegria, Cristo ora ao Pai e o louva por todo esse processo. A Salvação dada pela obra exclusiva do Pai é motivo de adoração por Jesus. Toda a mensagem do evangelho que eles receberam, creram e foram chamados a pregar não é fabricação humana! Ela é uma revelação divina, que remete a Deus a exclusividade da eficácia sobre os pecadores. Diferente das rodinhas onde alguns descreem, outros zombam e ainda outros a tem como uma mentira, a total soberania de Deus é motivo de louvor para Cristo. Quando este ora ao pai louvando pela salvação daqueles que Ele quer, Cristo pretende ensinar os seus discípulos a descansar na plena soberania de Deus. Ou seja, pregamos o evangelho fielmente e deixamos o resultado para Deus. Ele há de salvar os seus eleitos e isso é motivo de louvor e glória ao Deus-Pai. Ele a torna obscura para aqueles que são “cultos” e “intelectuais”, mas faz da mensagem do evangelho algo claro para aqueles são “pequeninos” e impossibilitados de qualquer coisa!

Nós precisamos responder ao evangelho descansando em sua soberania. Talvez você não entenda, e você também nem precisa entender a soberana vontade do Senhor, mas você precisa aceita-la e fazer dela um lugar de descanso para a sua alma! Foi o mesmo Cristo que disse a seus discípulos “Não fostes vós que me escolhestes, ao contrário, eu escolhi a vós outros (João 15:16) O que ele que dizer com isso? Descanse na minha soberana vontade! Acerca da sua própria morte ele diz: “Vocês não podem tomar a minha vida, sou eu que a dou por vós!(João 10:18).

A eficácia do chamado soberano pertence a Deus e a Deus somente! O evangelho é uma revelação do pai, portanto ao pregarmos o evangelho devemos esperar que o Pai a torne fonte de revelação para os que ouvem. Isso nos dá o que? Descanso! Não vamos se autoflagelar se o nosso discurso não convenceu fulano ou ciclano. Não! Nós não temos esse poder! O que podemos fazer é abrir este livro, pregar este livro, ser fiel a ele na comunicação e pedir ao Pai para que ele salve os pecadores. No mais, a obra da salvação está sob o domínio do agrado de Deus, verso 21. Portanto, nós respondemos ao convite do evangelho descansando na soberana vontade de Deus!

 

Conclusão:

1.  Assim como os discípulos, nós também estamos na escola do discipulado de Cristo. Foi Ele mesmo que nos chamou, nos trouxe para perto, nos instrui e nos enviou a pregar o evangelho. A ordem já foi dada. O convite já foi feito e está sendo feito mais uma vez agora: Responda ao convite do evangelho! Proclame o amor imensurável de Cristo no seu trabalho, na sua família, na sua universidade. Faça o amor de Cristo conhecido para aqueles que ainda não conhecem! Proclame o juízo justo de Cristo! Conheça e proclame o juízo de Cristo. Ele um dia há de julgar todos os homens. Todos os atos, sejam eles grandes ou pequenos, são conhecidos e estão sob o juízo de Cristo. Conheça e faça conhecida a verdadeira alegria da salvação! Tenha prazer em Deus e naquilo que ele te deu de mais importante.  E por ultimo: Descanse nos braços da soberania de Deus. O senhor sabe muito bem o que está fazendo, ele não precisa da nossa opinião ou do nosso palpite!

Preguemos o evangelho e esperemos que Ele revele o evangelho para quem Ele quer! Por ultimo, glorifiquemos ao Senhor por ele ter nos escolhido e aceitado como pecadores. Por Ele ter nos achado na mina chamado pecado, e ter feito de nós pepitas de ouro para a glória do seu nome!

O que o Senhor quer é que eu e você possamos nos matricular de uma vez por todas na escola de discipulado de Cristo e aprender com ele a devida forma de responder ao convite do evangelho que ele nos faz todos os dias!

 

A Bíblia, O Livro dos livros – Salmos 19:7-10 – Tiago Souza

Certo jovem convidou o seu amigo para uma viagem. O carro era pequeno e tinha espaço para poucas coisas. O amigo, para certificar-se que estava levando tudo, pega uma lista e começa a ler: mapa, ok. Uma lâmpada, ok. Uma bússola, ok. Um espelho, ok. Uma espada, ok. Alguns livros de historias, ok alguns livros de poesias, ok.

A essas alturas, o amigo já estava apavorado:

– Mas cara, o carro já está cheio, não vai dar para você levar tudo isso!

– acalme-se, está tudo aqui, e mostrou-lhe a sua bíblia!

Essa é apenas uma ilustração da preciosidade da palavra do Senhor!

Ela é o Livros dos livros:

A bíblia é o livro mais lido, comprovado, citado, estudado, amado, preservado, traduzido e publicado de todos os tempos. Nela encontramos os atributos de Deus, a pecaminosidade do homem, o caminho da salvação, o destino dos pecadores e a felicidade dos crentes. A doutrina que nela encontramos é santa e pura. Seus estatutos são obrigatórios, suas historias são verdadeiras, suas decisões são imutáveis e sua precisão é perfeita. Leia a bíblia para ser sábio, creia para ser salvo e a pratique-a para ser santo.Image

Na bíblia encontramos alimento para a nossa alma, luz para o nosso caminho, e água para a nossa sede. A bíblia é o mapa do viajante, a bussola do peregrino, a espada do soldado e o ouro do mineiro.

Exposição do Salmo 19:7-10

No inicio do Salmo 19, Davi nos fala sobre os maiores missionários da terra. Os astros, os planetas, todo o universo grita aos nossos ouvidos e nos revela a glória de Deus. Nos seis primeiros versos deste salmo Davi se preocupa em fazer Deus majestoso, glorioso e criador de tudo. A partir do verso sete ao verso dez Davi nos chama a participar dessa glória de Deus! Enquanto os seis primeiros versos nos falam sobre a glória da revelação geral de Deus , o versos 7-10 nos chama para a glória da revelação especial de Deus. O cenário muda do mundo de Deus para a palavra de Deus.

Portanto nesses 3 versículos (7-10) Davi nos chama para atentar o quanto a Palavra de Deus é gloriosa, perfeita e sublime.

Cada um dos quatro versos paralelos contém um titulo para palavra de Deus. Cada uma descreve o que sua Palavra é; e cada uma pronuncia o que ela efetivamente cumpre naqueles que a buscam. Para Davi, em todos os versos, a palavra é do Senhor. Ela não é de homem algum. Ela tem origem divina. Ela é do Senhor e isto é bem claro em todos esses três versos.

“A Lei do senhor é perfeita e revigora a alma” Salmo 19:7a

Dr. John MacArthur, um dos maiores expositores bíblicos da atualidade, disse que em seus estudos para expor esse verso gastou algumas horas para achar o real significado do porque a lei do Senhor é perfeita. Em seus estudo descobriu que a lei é perfeita não em contraste com o imperfeito, mas em contraste com o incompleto. Ou seja, ela é perfeita porque é completa! Nada precisa ser acrescentado na lei. Ela por si só tem poder suficiente de alcançar a nossa alma e revigorar a nossa fé. Quantas vezes nos apegamos a esse livro em momentos de crise existencial, de problemas, de aflições e a Lei do Senhor sempre esteve pronta para nos ouvir, para nos instruir e para revigorar a nossa alma.  Assim como a nossa alma se refrigera nos braços do bom pastor do Salmo 23, a nossa alma se revigora na lei do Senhor! O mesmo autor desses versos chega a conclusão no primeiro Salmo 1 ,declarando “que feliz é o homem que  e medita nessa lei de dia e de noite”. De fato a Lei do Senhor é um mar de infinitas bênçãos para aqueles que a buscam!

“Os testemunhos do Senhor são dignos de confiança e tornam sábios os inexperientes” Salmos 19:7b

Os mandamentos eram conhecidos por esse nome (Ex 25:21) e constituem a base de toda a lei do Senhor. Porem toda a escritura é testemunho de Deus para nós de quem Ele é! É nas escrituras que vemos que a palavra do Senhor, de fato, testemunha fielmente sobre a pessoa e a obra do Senhor. Esses testemunhos são dignos de confiança, ou seja, nós devemos depositar toda a nossa fé nas historias, nos preceitos, nas narrativas, nas ordenanças que nela existe! O evangelho, ou o testemunho do Senhor são dignos de confiança e tornam sábios os inexperientes. Certa vez John MacArthur recebeu em seu gabinete pastoral um homem muito aflito. Este relatava que já estava frequentando alguns cultos ali na igreja e resolveu confessar os seus pecados ao Pr. MacArthur. Este homem era médico abortista. Este homem ganhava milhões de dólares com aborto de bebês inocentes. Seu consultório recebia pessoas do mundo inteiro. Quando o casal que ali vinha se consultar e não havia motivos para abortar a criança, esse médico criava um motivo, uma razão para o um aborto. Aquele médico disse também que estava em depressão. Estava no seu quarto casamento e não gostava de viver com a atual mulher. Ele suplicou ao Pr. MacArthur por ajuda. Sua alma estava completamente aterrorizada por anos e anos de pecado. Dr. MacArthur olhando para aquele homem respondeu: “Eu não posso! Eu não posso te ajudar. Eu não tenho poder para resolver seu problema.” Enquanto aquele homem ouvia essas palavras seu coração ficava cada vez mais desesperado. Enquanto aquele homem refletia sobre aquelas duras palavras, o Pr. MacArhur disse: “tome esse livro (a bíblia) e leia o evangelho de João. Semana que vem podemos conversar novamente.” Aquele homem na semana seguinte volta ao gabinete do Pr. MacArthur no este pergunta: “Você leu o que pedi? “Sim, eu li o evangelho de João” , respondeu ele. “E o que você achou?”perguntou MacArthur. “Eu achei Deus! Jesus é Deus. Ele não pode fazer o que ele faz se ele não for Deus! Ele é Deus. E também eu li Romanos e descobri que eu sou pecador por natureza, mas descobri também que Jesus pagou por todos os meu pecados e pela fé posso ser justificado por Deus”

Aquele homem descobriu o poder da mensagem do evangelho! Ele torna sábios os inexperientes!

 

“Os preceitos do Senhor são justos, e dão alegria no coração” Salmo 19: 8a

As determinações, os padrões e os valores da bíblia são justos. Aqui o salmista nos informa que a palavra do Senhor tem o mesmo peso que o seu próprio atributo: Se Deus é justo, a sua palavra deve ser justa! E na palavra do Senhor vamos encontrar mandamentos, ensinamentos que não tem variação no seu caráter ou desproporções para com os desejos de Deus. Ela é reta, ela é justa em tudo diz. Qual santa consequência disso? A justiça da palavra do Senhor trás alegria no coração do homem! O próprio Jesus diz em João 15:11 : “Eu vos falo estas palavras para que a minha alegria esteja em vocês e a vossa alegria seja completa!”. É nas palavras do evangelho que encontramos a real alegria da nossa alma, pois é no evangelho que nos aproximamos de Deus e temos a alma recheada de alegria!

 

“Os mandamentos do Senhor são límpidos e trazem luz aos olhos” Salmo 19:8b

Aqui o Salmista se preocupa em trazer para a vida prática dos ouvintes aquilo que é estabelecido na palavra do Senhor. Davi apela para a observação amorosa da palavra de Deus com conformidade com a prática que exige. Os mandamentos, que são muito mais do que 10, são advertências para um viver santo daqueles que buscam á Deus. Diferente de uma ditadura ou algo do tipo, o Senhor estabelece esses mandamentos para o próprio bem dos fieis e os permite que eles se pareçam com o próprio Deus. Foi o mesmo Deus que disse em Lv 20:7: “santo por eu sou santo”! Como posso ser santo se não pratico a palavra? Por isso o Senhor nos impulsiona a praticar os seus mandamentos. Ele quer que sejamos santos e parecidos com Ele. Davi também no fala que estes mandamentos são límpidos! Eles não são obscuros, sujos e nevoados. Eles são límpidos, eles são claros e trazem luz aos olhos. O salmista quer dizer que os mandamentos não nos fazem tropeçar como cegos que só enxergam uma total escuridão. Os mandamentos faz com que possamos ver claramente as coisas como elas realmente são!

 

 

“ O temor do Senhor é puro, e dura para sempre” Salmo 19:9a

O Temor do Senhor nos ensina a ter reverencia para com Ele. Não é possível ter alegria na alma, sabedoria no coração, luz nos olhos se não tivermos temor ao Senhor. Talvez seja essa a razão do salmista colocar este verso como uma das ultimas referencias á palavra do Senhor. Ele quer deixar latente que a Palavra do Senhor nos fala sobre uma reverencia pura e santa. A palavra causa no coração daqueles que a buscam tal temor que o que mais eles desejaram é não pecar contra um Deus que é puro. E este temor dura para sempre, ou seja, teve valor para os dias de Adão, teve valor para dias de Davi e tem valor para os nossos dias! A palavra do Senhor sempre será pura e verdadeira!

“As ordenanças do Senhor são verdadeiras, são todas elas justas” Salmo 19:9b

A palavra “ordenanças” pode estar se referindo aos decretos eternos de Deus como juiz que julga com grande retidão. Ao longo de toda a escritura vemos os decretos do Senhor e seus juízos sobre anjos, demônios, indivíduos e nações. Esses juízos nos revelam o caráter do Senhor e nos mostram o que lhe agrada ou não. Quando digo “agradar a Deus” não estou falando de sentimentos, ou paixões. Deus não se deixa levar por isso! Mas o agrado do Senhor que está alinhado com a sua justiça, o qual é um atributo obvio de Deus santo. Por isso o salmista chega a está conclusão : As ordenanças e os juízos do Senhor são justos! Deus age com justiça na justiça porque Ele é justo!

Conclusão:

A palavra do Senhor é tudo isso: Lei, testemunho, preceito, mandamento, ordenança e juízo. Chegamos então á conclusão, juntamente com Davi, no verso 10: “A palavra do Senhor é mais desejável do que o ouro, do que muito ouro puro; são mais doces do que o mel;  são mais doces do que as gotas do favo!”

Davi diz que a palavra é mais importante do que o ouro! O ouro, em todas as nações e em todos os tempos sempre foi motivo de obsessão.

Portanto, se a Palavra do Senhor é mais valiosa do que o ouro, eu pergunto: você tem obsessão pela palavra do Senhor? Ela já tomou o lugar devido no seu coração? Qual é o valor que você dá a bíblia? Ela tem valor para você?

Davi diz também que ela é mais doce do que o mel!

Portanto, se a palavra é tão doce assim, eu pergunto: Você tem apetite pela palavra? Você deseja ler, entender e  pratica-la no seu dia-dia assim como você se alimenta? Você é tão apaixonado quanto Davi pela palavra ao ponto de meditar nela de dia e de noite? (Salmo1: 2)

Deixe a Palavra do Senhor ser TUDO na sua vida! Ela mesma dá testemunho do seu valor, por isso nós encontramos esses três versos escritos nela!

Tenha a palavra do Senhor como o seu bem mais precioso. Tenha ela como um valor inestimável e como um alimento inesgotável.

abraços

Novo Nascimento – Como acontece? – Tiago Souza

Novo Nascimento – Como acontece?

Há uma frustração geral quanto à vida. Não há dúvidas que o homem percebeu há muito tempo que há algo de errado com a humanidade. A humanidade ainda não se perdoou pela morte de mais cem milhões de pessoas em duas grandes guerras mundiais que deixará cicatrizes para sempre na história.

Ao ligar a TV ficamos assustados com as noticias que nos cercam. Pais que matam seus filhos. Filhos que matam seus pais. Guerras químicas, terrorismo, sequestros, estupros são manchetes corriqueiros nos jornais.

Assim ficamos a nos perguntar: O que há de errado com a humanidade?

Na busca de respostas satisfatória para esse mal, o homem cria para si algumas falsas soluções:

Na religião:

Os antigos gregos, por exemplo, especulando uma possível resposta para isso apelaram para o gnosticismo. Segundo eles, a carne, a materia é má. O homem de carne e osso é mau. Para os gnosticos o mundo dos mortais está em caos. Este pensamento, ou pequenas variações dele, estão presentes em outras religiões. Há uma decepção quando à vida na religião. Essa é a causa da criação de várias emaranhadas de suposições quanto á necessidade de mudança do homem. Alguns pensam em carmas, outros em reencarnações e ainda outros pensam em purgatório ou algo do tipo.

Na filosofia:

No âmbito filosófico também não é diferente. A filosofia também há muito tempo percebeu que há algo de errado com humanidade. Nietsche, pai do existencialismo moderno, era tão pessimista que afirmava que a vida vai de encontro ao total caos e total desgraça. Para Nietsche é inevitável qualquer esforço para aliviar os desconfortos e os problemas da vida, ela está indo ao encontro da total desgraça somente!

A teoria evolucionista também não vê com bons olhos a humanidade. Para Darwin, o homem está em evolução! Para Darwin éramos primatas e agora somos homens, amanha talvez possamos nos transformar em qualquer outra coisa! Tal pensamento também reflete a insatisfação quanto á vida, pois esta, segundo a teoria evolucionista, também precisa de mudanças!

 

A Conclusão que chegamos:

Tais pensamentos refletem a percepção que o próprio ser humano tem de si mesmo:  Há algo de errado com a humanidade!

O homem percebe que há algo de errado com a sua natureza. E nessa percepção eles estão corretos. Eles estão totalmente enganados quanto á solução do problema, mas a sua percepção é totalmente válida!

Para isto, o evangelho é a única via que nos propõe uma solução plausível e que tem eficácia para este mal epidêmico.

O evangelho não nos propõe uma transformação dessa vida ou uma mudança nesta vida. O evangelho nos propõe uma NOVA VIDA. Uma nova semente. Um novo nascimento. Uma regeneração.

E a pergunta que eu faço é: Como isso acontece? Como Nascemos de novo? Como podemos ter uma nova semente? Uma nova vida?

Primeiro vamos analisar dois aspectos da regeneração (novo nascimento). O aspecto que visa a soberana graça de Deus e o aspecto que visa a responsabilidade humana.

 Leia 1° Pedro 1:3-25

O Novo Nascimento sob a ótica de Deus

– No verso 3 Paulo inicia sua exposição ressaltando o seu louvor a Deus por ter usado de misericórdia para com os eleitos,  misericórdia essa que produziu a regeneração, novo nascimento.

– Essa misericórdia, segundo o verso 3, é usada por meio da ressurreição de Cristo dentre os mortos. Portanto pelo fato de ter Cristo feito a propiciação devida pelos nossos pecados e ter ressuscitado dentre os mortos , Deus usa de misericórdia para conosco nos dando uma nova vida em Cristo. Portanto, o ponto de partida é a pessoa e a obra de Cristo! Deus fará tudo isso por meio Cristo!

– Se Deus é o agente primário do novo nascimento, isso nos informa que ninguém tem o poder de realizar tal obra. Nenhum homem tem poder para realizar isso! Assim como um bebe não decide nascer do ventre de sua mãe, o homem não decide por si próprio nascer de novo.  Essa doutrina, da realização exclusiva do novo nascimento, deve estar bem centrada no nosso entendimento. Se a exclusividade da operação do novo nascimento é estritamente de Deus em Cristo, o homem é incapaz de realiza-lo.

Por quê?

– A Bíblia nos fala que somos mortos em nossos delitos e pecados. Efésios 2

– A Bíblia nos fala que por natureza estamos separados de Deus. Isaias 59.2

– A Bíblia fala que a nossa condição humana faz com que trocamos a verdade de Deus pela mentira. Romanos 1:18

– A Bíblia nos fala que satanás a cegou o entendimentos dos homens. 2° Coríntios 4.4

Portanto, é impossível para homem operar a obra da regeneração! A sua condição humana o torna incapaz de realizar tal obra. O homem é impotente para crer naturalmente nas coisas divinas. É preciso uma obra sobrenatural no seu coração. Veja por exemplo o que diz Richard Dawkins (ateísta militante) na pagina 146 do seu livro “Deus, um delírio”. Dawkins diz: “há, porém, uma coisa esquisita…Acreditar não é uma coisa que se possa decidir, como se fosse uma questão política. Não é pelo menos uma coisa que eu consiga decidir por vontade própria. Posso decidir ir á igreja e posso decidir recitar a novena… Mas nada disso pode realmente me fazer acreditar se eu não acreditar”

Dawkins está certo nesta afirmação! Não temos o poder de decidir crer. Não temos a liberdade de escolher Deus e acreditar Nele. É preciso por tanto de uma obra sobrenatural, se não nada podemos fazer!

Portanto, a regeneração é obra de Deus. Ele o faz em Cristo através da sua pessoa e obra operando a sua rica misericórdia para conosco. Louvado seja o Senhor por isso!

O Novo nascimento sob a ótica da responsabilidade humana

O Novo Nascimento acontece no coração do homem. É o homem que precisa de tal mudança, portanto, o homem participa do novo nascimento. Ele não o faz. Ele não a produz, mas ele participa!

Como?

Quando Deus usa de misericórdia para com seus eleitos, ele faz com que a mensagem do evangelho, que nos fala sobre a pessoa de Cristo, venha se tornar uma verdade no coração do homem através da operação do Espirito Santo! Portanto deve haver uma participação do homem através da aceitação dessa verdade. Nós precisamos ouvir o evangelho, entender o evangelho e responder ao evangelho que nos chama de forma eficaz na pregação do evangelho! (Tiago 1:18; 1Pedro 1:23; João 3:6-8)

Um exemplo muito próprio para este argumento é a narrativa da ressurreição de Lazaro em Lucas 11.  Lázaro estava morto há quatro dias. O evangelho de Lucas nos fala que Jesus caminha de Jerusalém até Betânia para ver e consolar a família do já falecido Lázaro. Jesus então chega  em frente ao tumulo do falecido e da uma palavra de ordem! Lazaro então volta á vida. Lázaro ressuscita!  Então perguntamos: Onde Lazaro participou desse milagre? Exatamente na sua ressurreição! Foi Lazaro que ressuscitou e voltou a viver! Jesus chama, Lazaro responde.

Então podemos considerar os seguintes pontos sobre o Novo Nascimento:

1° O Senhor escolhe.

2° O Senhor chama.

3° O homem torna a viver (nasce de novo).

4 ° O homem responde com fé.

Image

Conclusão: 

Portanto, a nossa teologia é monergista! Ou seja, a obra da salvação, o novo nascimento e a conversão é obra exclusiva de Deus, no que podemos somente ser receptores dessa obra e responder com fé, segundo a eleição incondicional de Deus!

A Resposta positiva que damos á mensagem do evangelho é produto do novo nascimento. É o novo nascimento que nos torna capaz de entender o sacrifício de Cristo e entender o que Deus fez em Cristo. A fé é produto do novo nascimento e não o novo nascimento produto da fé.

Qual a implicação disso tudo?

Qual a nossa atitude ao saber disso?

Adorar a Deus! Graças á Deus que isto é obra Dele e não nossa!  Se a obra da regeneração for de Deus, como de fato é, Ele o fará com grande maestria e perfeição. Veja por exemplo o que 1° Pedro 1:23 diz: “vocês foram regenerados, não de uma semente perecível, mas imperecível, por meio da palavra de Deus, viva e permanente.” A obra do novo nascimento feito no coração dos eleitos não há prazo de validade! A obra do novo nascimento no coração do homem não vai apodrecer ou ficar enferrujada! Ela é imperecível! Nós nascemos de novo, e nascemos de novo para todo o sempre!

Está é a graça de Deus, que nos abençoa com uma nova vida! Uma nova perspectiva! Uma nova e verdadeira alegria. Louvado seja o Senhor por isso!

Bibliografia:

Piper,John. Finalmente Vivos. Fiel

4 Verdades que um adorador leproso nos ensina! Salmo 88 ( O Salmo mais triste da Bíblia) – Tiago Souza

Você conhece o Salmo 88? O Salmo mais triste da bíblia? 

O Salmo 88 está na categoria dos Salmos de lamento, mas diferente de todos os outros, este Salmo não termina com um tom de esperança, alegria ou conforto.
Este Salmo tem como personagem principal um jovem músico, levita, chamado Hemã, que persistentemente ora ao Senhor por sua grave doença (provavelmente lepra). No Salmo 88 vemos o Levita Hemã clamando á Deus, e a única resposta dos céus é o total silencio! Não há cura. Não há conforto. Não há alegria neste salmo!

Algumas verdades que Hemã, o levita leproso, nos ensina:

1° NADA PODE CALAR A VOZ DE UM ADORADOR! vers. 1- 9 ( Hemã clama ao Senhor em meio a doença e O adora como Deus em meio a tribulação. Ele é um levita leproso que não deixa de adorar ao Senhor)

2° TEMOS UMA VIDA PARA VIVER E UMA VIDA SOMENTE PARA DEVOTAR Á DEUS! vers. 10-12 ( Hemã dialoga com Deus dizendo que na sua morte não haverá louvor. Se Hemã morresse, a sua adoração terminaria no túmulo. Por isso ele pede por sua vida, pois ele visa a adoração ao Senhor)

3° DEVEMOS TER UMA VIDA DE ORAÇÃO MESMO QUANDO DEUS NADA RESPONDE! vers. 13-14 ( Hemã ora continuamente ao Senhor, mesmo quando ele nada responde)

4° NÃO TEREMOS TUDO O QUE PEDIMOS! vers. 15-18 ( Hemã termina este Salmo sem uma resposta da parte do Senhor. Isso nos mostra que nem sempre Deus satisfará o desejo do nosso coração. o Senhor não quer fazer de nós filhos mimados, mas discípulos valentes.)

Que possamos aprender hoje a ser discípulos fieis, adoradores comprometidos, e filhos amados.

Que o jovem Hemã nos ensine a amar o Senhor por aquilo que Ele é, e não por aquilo que Ele faz

!Image

Unidade da igreja: Até onde devemos ir com a nossa comunhão? – Tiago Souza

Em um mundo onde cada vez mais o homem se isola e se enclausura em seus guetos existenciais, a unidade da igreja se faz bem vindo. Bem vindo para exercer o papel de Reino de Deus levando a mensagem do evangelho para o homem em seu caos. Esta situação tem se agravado nos últimos anos pela propaganda pós-moderna de individualização do homem. A pós-modernidade tem sido fiel a sua proposta para o homem atual. Nele a pós-modernidade o faz refém de si mesmo e o afoga em seus prazeres hedônicos e narcisistas destruindo qualquer esperança de comunidade.

O homem, bem como disse Deus, não é bom que viva só (Genesis 2:18). Deus o fez para a comunidade, e fez a comunidade para o homem. Por isso a unidade da igreja se faz bem vindo a nossa pequinesa realidade eclesiástica. Somos o que somos para o outro e vice-versa. Por isso a necessidade de se andar em comunidade.

O unidade do corpo de Cristo propõem para nós o resgate dessa “humanidade” perdida no tempo. A faceta teológica da unidade nos impele para a observação bíblica do assunto bem como o levantamento de discussões que nos levem, pelo vinculo do amor, á comunhão proposta pelo tema. A unidade da igreja deve estar longe de ser simplesmente um assunto discutido nas cátedras teológicas. Ele deve ser levado para a vida diária do cristão, e sua práxis deve ultrapassar os limites denominacionais. O olhar teológico deste assunto deve, a meu ver, estar em concordância e vivencia com inúmeros exemplos bíblicos de unidade em meio à diversidade como: as doze tribos de Israel; a santa trindade e a dicotômica constituição humana.

O olhar bíblico do assunto, seja ele negativo ou positivo, terá consequências não só para a igreja, mas para toda a sociedade. Por isso a necessidade de se construir uma cosmovisão teológica da unidade embasado no mesmo amor que Jesus tinha para pessoas tão diferentes dele.Image

Não devemos ter isso como uma longínqua utopia, mas devemos ter sim como uma realidade presente e palpável. Para isso, a comunhão e o interesse comum devem estar ajustados bem como a bandeira da VERDADE evangélica e universal. O evangelho jamais deve ser negociado ou desassociado das verdades centrais do cristianismo histórico.

Essas verdades é que devem ser o ÁRBITRO para a comunhão ou não. Portanto, a base da unidade não deve está na comunhão, mas na verdade. A verdade é que traz a comunhão e não o contrário. Por isso a unidade da igreja proposta por muitos teólogos tem como base a verdade apostólica pregada nas narrativas e ordenanças bíblicas. São elas que precedem todo e qualquer dialogo para um fim especifico. Assim, a verdade bíblica pode servir para a comunhão ou para excomunhão.

A VERDADE bíblica é a regente de toda a unidade e comunhão. Eu sou um com aqueles que procedem do mesmo credo que eu. Podemos discordar de assuntos periféricos, mas nunca podemos discordar de assuntos centrais e universais da fé cristã.

É exatamente essa proposta homogênea que tem como base a harmônica pessoa de Jesus Cristo. É ele que deve ser o regente de toda comunhão, diálogo e compreensão. É por meio da pessoa de Jesus Cristo que nos aproximamos daqueles que são diferentes de nós. O “eixo gravitacional” deve ser a vida e a obra de Jesus, pois, segundo a narrativa bíblica, foi ele o único personagem que andou com publicanos (Lucas 5:27), tinha amigos leprosos (Mateus 8:2), hospedou-se na casas de fariseus (Lucas 7:36) e conversou com samaritanos (João 4:7). Ele é nosso maior exemplo de dialogo inter-racial, intersocial e interdenominacional. Foi ele mesmo que superou todas as barreiras impostas pela cultura e quebrou todo o muro que dividia uma simples conversa entre um povo e outro povo.

Toda a pluralidade deve estar respaldada pela vinculo do amor de Jesus, é nele que a unidade da igreja se concentra com toda a sua diversidade teológica. A harmonia proposta pela comunhão deve estar respaldada pelas verdades bíblicas e doutrinárias encontradas na pessoa de Jesus Cristo bem como todo o seu exemplo de amizade e compreensão do outro.

“Sola Fide” X Lei – Como entender a a Justificação bem como nossa responsabilidade quanto a Lei do Senhor – Tiago Souza

Image

O coração do evangelho está na doutrina da justificação pela graça somente. Dentre todos os presentes de Deus ao homem nenhum se compara a obra da justificação em Cristo. Se assim for, como fica a lei? Seria ela abolida ou desprezada pelos escritos do novo testamento? Paulo em Romanos 10:4 diz “o fim da lei é Cristo para a justiça de todo aquele que Nele crê”.

Sabemos que Paulo está se referindo a Cristo, mas que lei é essa? E que fim é esse? Para Paulo a justiça de Deus estava na lei (torá) e não na forma que esta lei estava sendo cumprida.

Nos versos 2 e 3 de Romanos 10, Paulo exorta a igreja de Roma a não depositar a sua fé de  forma ignorante em uma justiça mal compreendida pelo seu povo, os judeus, que inclusive mataram Jesus Cristo achando que ele estava ferindo a lei.

Portanto, a má compreensão dessa lei e a má compreensão da forma que ela deve ser cumprida fazem com que o povo seja alheio e ignorante quanto à graça redentiva de Jesus. Ou seja, o problema não está na lei, mas, está no homem. Essa é a tese do capitulo 1 e 2 de Romanos. Em Cristo fomos chamados para a liberdade (Gl 5). Liberdade da falsa liberdade que a nossa ignorância sobre a justiça de Deus, nos coloca. É um erro gravíssimo achar que a Lei não deva ser cumprida.

E é um erro gravíssimo achar que o homem consegue cumpri-la. Sabemos, de acordo com Paulo e com muitos outros profetas que tal homem não existe. Portanto, se a lei deve ser cumprida e o homem é incapaz de cumpri-la a única forma de sermos salvos é mediante a fé em Jesus, o Deus-homem que cumpriu toda a Lei. Nele não só deixamos de ser ignorantes, mas somos feitos “justiça de Deus” (1Co 5:21), não mediante a lei, mas mediante ao Cristo da lei.

Assim, fomos feitos também “ministros de uma nova aliança”(2Co 3:6) ,pois, não estamos mais debaixo de um julgo enganador que outrora nos condenava por tentar cumprir a lei por méritos próprios, mas debaixo da graça de Cristo que nos socorreu quando andávamos errantes por não cumprir a lei. A nova aliança em Cristo faz com que a pessoa que não cumpriu a lei descanse na vida de Cristo, pois, Cristo cumpriu a toda a lei. Tais pessoas, judeus ou gentios, que foram alcançados pela graça de Cristo podem cumprir a lei na prática do amor e gratidão a Deus sabendo que por mais que sua vida esteja guardada na vida de Cristo ela dará conta de seus atos no juízo vindouro (2Co 5:10).

Assim o evangelho penetrado no coração do homem por meio da dádiva do Espírito faz com que ele cumpra a lei mosaica na pratica do amor, que também é um sinal da autenticidade da sua salvação.

É importante também salientar que Paulo lutou incansavelmente e constantemente contra os argumentos dos judaizantes que saiam de forma itinerante pregando um falso evangelho que minava a sua autoridade apostólica. Portanto, concluo que “a letra mata” todos aqueles que depositam a sua fé na tentativa de auto-salvação mediante o cumprimento da lei, e o “espirito vivifica” todos aqueles que depositam a sua fé no Cristo de Deus, aquele que cumpriu toda a lei de Deus.

John Frame – 15 conselhos para seminaristas e teólogos iniciantes

1. Considere a possibilidade de você não ter sido chamado para ser um teólogo. Tiago 3:1 nos lembra de que nem todos os que estão estudando teologia deveriam procurar ser mestres.

2. Valorize seu relacionamento com Cristo, com sua família e com a igreja mais do que a sua carreira. Você influenciará mais pessoas por meio de sua vida do que pela sua teologia. As deficiências em sua vida acabarão negando a influência de suas ideias, mesmo as ideias que são verdadeiras.

3. Lembre-se de que a tarefa fundamental da teologia é entender a Bíblia, a Palavra de Deus, e aplicá-la para as necessidades das pessoas. As demais coisas, sofisticação exegética, histórica e linguística, conhecimento da cultura e filosofias, tudo isso deve estar subordinado à tarefa fundamental acima. Se não estiver, você acabará sendo aclamado como um grande historiador, linguista, filósofo ou crítico da cultura, mas não como um teólogo.

4. No cumprimento da tarefa acima, você tem a obrigação de saber argumentar. Pode parecer óbvio, mas muitos teólogos hoje perecem não ter a menor ideia de como fazer isso. Teologia é uma disciplina argumentativa e, por isso, você precisa ter um conhecimento suficiente de lógica e persuasão a fim de construir argumentos que sejam válidos, sadios e persuasivos. Na teologia, não basta demonstrar que você tem conhecimento da história, da cultura ou de outras áreas do saber.

5. Não basta citar pessoas que concordam com você e criticar aquelas que discordam do seu ponto de vista. Você precisa saber formular um argumento em defesa daquilo que crê.

6. Aprenda a escrever e falar de maneira clara e convincente. Os melhores teólogos são capazes de tomar um assunto complexo e explicá-lo numa linguagem simples. Nunca tente demonstrar que você é especialista numa área por meio de uma linguagem obscura e opaca.

7. Cultive uma intensa vida devocional e ignore aqueles que o acusarem de uma falsa piedade. Ore sem cessar. Leia a Bíblia, não apenas como um texto acadêmico. Valorize todas as oportunidades de participar de cultos e reuniões de oração no seminário e aos domingos na igreja local. Dê atenção à sua “formação espiritual”.

8. Um teólogo é essencialmente um pregador, exceto que ele se envolve ocasionalmente com assuntos mais “misteriosos” do que o pregador. Seja um bom pregador. Encontre uma maneira de fazer sua teologia falar aos corações das pessoas.  Encontre uma maneira de apresentar sua teologia de tal modo, que as pessoas ouçam a voz de Deus nela.

9. Seja generoso com seus recursos. Gaste tempo conversando com seus alunos e aqueles que pretendem ser alunos. Doe livros e artigos. Não seja “mão fechada” no que tange a materiais com seus direitos autorais. Dê permissão para seu material ser copiado, sempre que for solicitado. Ministério em primeiro lugar, dinheiro em segundo.

10. Ao criticar outros teólogos, denominações ou movimentos, siga a ética bíblica. Não chame uma pessoa de herege precipitadamente. Não acuse pessoas com termos do tipo “outro evangelho” (aqueles que pregam  um outro evangelho estão sob a maldição de Deus).  Não destrua a reputação das pessoas por meio de uma citação equivocada, fora do contexto, ou no pior sentido possível. Seja gentil e generoso a menos que você tenha razões fortíssimas para ser severo.

11. Numa controvérsia, nunca se posicione, precipitadamente, de um lado do debate. Faça um trabalho analítico de ambas as partes. Considere estas possibilidades: a) os dois lados podem estar olhando para o mesmo assunto de perspectivas diferentes, mas não pensando de maneira diferente; b) ambos os labos podem estar despercebidamente desprezando um ponto que poderia fazê-los pensar em harmonia; c) eles estão tendo dificuldade de se comunicar um com o outro porque estão usando termos que têm sentidos múltiplos; d) pode haver uma terceira alternativa melhor do que as duas posições que estão sendo defendidas; e) ambas as opiniões na controvérsia, mesmo que genuínas, devem ser toleradas na igreja, assim como as diferenças entre vegetarianos e não vegetarianos em Romanos 14.

12. Quando você tiver uma grande ideia, não espere que as pessoas a entendam imediatamente. Não tente promover esta nova ideia a ponto de criar uma facção. Não entre em rivalidade com aqueles que por acaso não vierem a apreciar sua maneira de pensar. Dialogue com eles de maneira gentil, reconhecendo que você pode estar errado e não tem a humildade de reconhecer isso.

13. Não seja impulsivamente crítico com qualquer coisa que venha de outras tradições religiosas. Seja humilde para reconhecer que outras denominações podem ter algo a lhe ensinar. Seja “ensinável” antes de começar a ensiná-los. Tire a trava dos seus olhos.

14. Esteja preparado para avaliar criticamente a sua própria tradição. É uma ilusão pensar que uma tradição religiosa tem todas as verdades ou está sempre certa. Não seja um daqueles teólogos conhecidos por tentar fazer arminianos se transformarem em calvinistas (ou vice-versa).

15. Olhe para os documentos confessionais de sua denominação com a perspectiva correta. Eles são, entre outras coisas, o fruto do trabalho de teólogos e devem ser avaliados e reformados, quando necessário, pela Palavra de Deus. Não assuma que tudo o que está nos símbolos de fé da sua tradição religiosa está decidido para sempre.

Copyright © por John Frame, Reformed Theological Seminary. Website: rts.edu

Tradução: Daniel Santos Jr.